Informativos e Notícias

29-Nov-2019 17:50

Método revolucionário para remoção de dióxido de carbono do ar é desenvolvido

novembro2019, imprensa,
Novembro2019
Existe uma nova maneira de remover o dióxido de carbono do ar e isso pode ser um divisor de águas. Isso ocorre porque o novo sistema pode trabalhar no gás em praticamente qualquer nível de concentração.

E, ao contrário de outras variações que funcionam com concentrações mais baixas, o novo método é de longe menos caro em termos de energia. O sistema foi desenvolvido pelo pós-doutorado do MIT, Sahag Voskian e Alan Hatton, professor de engenharia química de Ralph Landau.

Uma natureza binária

“A maior vantagem dessa tecnologia sobre a maioria das outras tecnologias de captura ou absorção de carbono é a natureza binária da afinidade do adsorvente ao dióxido de carbono”, explicou Voskian. “Essa afinidade binária permite a captura de dióxido de carbono de qualquer concentração, incluindo 400 partes por milhão, e permite sua liberação em qualquer corrente transportadora, incluindo 100% de CO2”.

O dispositivo é essencialmente uma bateria grande que absorve dióxido de carbono do ar que passa sobre seus eletrodos enquanto ele está sendo carregado. Então, quando está sendo descarregado, libera o gás.

O produto final é dióxido de carbono puro que pode ser usado em diversas aplicações, como em fábricas de engarrafamento de refrigerantes ou na alimentação de plantas em estufas. O novo sistema poderia eliminar a necessidade de combustíveis fósseis nesses casos e, na verdade, remover o gás do efeito estufa do ar.

“O fluxo de dióxido de carbono puro liberado também pode ser comprimido e injetado no subsolo para descarte a longo prazo. O processo que este sistema utiliza para capturar e liberar dióxido de carbono é revolucionário”, disse Voskian.

Um processo revolucionário

“Tudo isso ocorre em condições ambientais – não há necessidade de entrada térmica, de pressão ou química. São apenas essas folhas muito finas, com as duas superfícies ativas, que podem ser empilhadas em uma caixa e conectadas a uma fonte de eletricidade”, explicou Voskian.

“Nos meus laboratórios, temos nos esforçado para desenvolver novas tecnologias para lidar com uma série de questões ambientais que evitam a necessidade de fontes de energia térmica, mudanças na pressão do sistema ou adição de produtos químicos para concluir os ciclos de separação e liberação”, acrescentou Hatton. “Essa tecnologia de captura de dióxido de carbono é uma demonstração clara do poder das abordagens eletroquímicas que requerem apenas pequenas oscilações de tensão para conduzir as separações”.

O melhor de tudo é que o sistema utiliza apenas cerca de um gigajoule de energia por tonelada de dióxido de carbono capturado. Os pesquisadores agora estão trabalhando para comercializar o processo e esperam desenvolver uma planta em escala piloto nos próximos anos.

O estudo é descrito em um novo artigo na revista Energy and Environmental Science.

Engenharia É
Deixe seu Recado